Mesmo com saúde em crise, governo corta R$ 16 milhões do orçamento 2019
Embu das Artes terá recurso menor na saúde
13 de dezembro de 2018
(Foto: Divulgação)

Os vereadores de Embu das Artes aprovaram na quarta-feira, dia 12, o orçamento para o exercício financeiro de 2019, curiosamente mesmo com a crise que o município enfrenta na saúde com falta de medicamentos, atrasos de fornecedores e folha de pagamento dos funcionários, no próximo ano o governo Ney Santos cortou R$ 16 milhões de reais dos recursos para saúde. Em contrapartida foram criadas três novas secretarias.

Em 2018, o recurso reservado para saúde foi de R$ 180.751.000,00 milhões, já para o ano de 2019 o valor previsto é de R$ 164.655.368,00 milhões, ou seja, uma redução de R$ 16 milhões de reais no orçamento anual em uma das pastas mais importantes da administração municipal.

De acordo com o Projeto de Lei Complementar Substitutivo n°. 11/2018, de autoria do Prefeito municipal Ney Santos, “dispõe sobre estimativa da Receita e fixação da Despesa do Município para o exercício financeiro de 2019”, consta também o orçamento designado para as recém criadas Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Suprimentos e Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, ao todo são mais de R$ 3,9 milhões para folha de pagamento e demais necessidades dessas novas secretarias.

“Eu não vou votar em algo que acredito que prejudica a população. Nesse orçamento para 2019, eu verifiquei algumas situações que eu acho inviável e quem será prejudicado com tudo isso é a população. Todo o dia a população está sofrendo com falta de medicamento, falta de médico, em 2018 foi destinado R$ 180 milhões e ainda não tivemos esse serviço de qualidade, para 2019 teremos um orçamento de R$ 164 milhões. Já estamos vivendo esse caos e agora menos R$ 16 milhões”, pontuou a vereadora Rosangela Santos.

Veja também  Taboão da Serra investiu 32,96% do orçamento em Saúde Pública

Na sessão, os vereadores aprovaram a peça orçamentária por 11 votos favoráveis pela base governista e 4 votos contrários da oposição sendo eles Rosangela Santos, Edvanio Mendes, André Maestri e Dra Bete. A discussão do projeto foi acerca da responsabilidade do executivo em enviar tal proposta, os vereadores de oposição evidenciaram que os recursos foram maquiados, como por exemplo o valor designado ao cartão cidadão está listado na Secretaria de Planejamento, que é de R$ 1,7 milhão reais.

Além disso, Edvânio Mendes cobrou responsabilidade dos demais vereadores. “Diante da fala dos vereadores aqui então a responsabilidade é de vocês, quando estiver faltando remédio, quando estiver faltando médico. A realidade da nossa cidade não é como pintam. Cadê que não sabe fazer planejamento? Não sabe fazer gestão? Quando o governo tira mais de R$ 16 milhões da secretaria de saúde demonstra que não tem compromisso com a saúde da nossa cidade”, falou.

O vereador André Maestri também se posicionou contrário à proposta orçamentária do governo municipal. “Anteriormente eu pontuei a questão de três secretarias, que ao meu ponto de vista são extremamente essenciais mas se realmente tivesse a preocupação da economicidade e de reduzir gastos não se teria criado mais três secretarias, mas teria reduzido unindo secretarias que tem uma certa ideologia de projetos como Cultura e Turismo, e dessa forma investir nas políticas públicas da cidade”, destacou.

A vereadora Dra Bete alertou que a previsão orçamentária para 2020 – ano de eleição municipal é bem maior, que para o ano de 2019. “Diminuir a saúde não tem cabimento. Se com esse dinheiro já não está dando imagina se fizer essa redução. E coincidentemente a previsão de 2020, que é ano de eleição vai aumentar e muito. Aí fica aquela dúvida: Porque será que vai acontecer isso? Eu voto contra pela redução de R$ 16 milhões”, disse.

Crédito: Redação
O projeto da Carreta da Saúde, Fila Zero no seu Bairro teve início neste final
Os pacientes da UBS Valo Velho enfrentam longas filas para marcar uma consulta médica em
Já dizia o poeta que "a dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional". Essa